Notícias

Queremos REDD

O Fórum Amazônia Sustentável entrega nesta terça feira aos ministros de Ciência e Tecnologia e de Meio Ambiente uma carta assinada pelas 168 organizações e empresas que compõe o grupo pedindo que o governo brasileiro faça parte de acordo para conter o desmatamento na Conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que ocorre em dezembro em Copenhague. O mecanismo que compensa emissões de carbono causadas por desmatamento,  conhecido como REDD (Reducão de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal), esta na agenda de negociações desde 2005, mas ainda encontra a resistência da gestão Lula. Basicamente, a idéia é que países ricos possam compensar suas emissões investindo recursos financeiros na preservação de florestas tropicais. Na carta, o Fórum Amazonia Sustentável defende que o mecanismo pode ser uma boa alternativa para inverter o ciclo econômico destrutivo que ocorre na floresta. Além disso, argumentam que será um bom negócio para as populações ribeirinhas, seringueiros e outros que hojem dependem de extrativismo para sobreviver. Neste ponto, o grupo vai bem ao ponto mais polêmico para os negociadores brasileiros, que preferem que possíveis benefícios do REDD sejam gerenciados pelo governo federal, em modelo semelhante ao atual Fundo Amazônia. “Os recursos externos para programas de preservação da floresta amazônica são bem-vindos, desde que o poder decisório sobre sua aplicação seja de responsabilidade do Brasil, através da interação entre governo e sociedade”, afirma Brenda Brito, do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Para ler a carta do Fórum Amazônias Sustentável, clique aqui

Redação ((o))eco ·
4 de agosto de 2009 · 12 anos atrás

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta