Fotografia

A biodiversidade de Madagascar

Ensaio feito na ilha da costa leste da África mostra a beleza magistral dos baobás e os animais-símbolo da ilha, os lêmures.

Cristina Mittermeir ·
21 de junho de 2010 · 11 anos atrás

Cristina Goettsch Mittermeier é uma das mais atuantes fotógrafas de conservação da natureza. Seu trabalho é focado nas relações diretas entre culturas tradicionais e espécies, ambas espetaculares e extremamente ameaçadas de desaparecer. Neste ensaio especial a ((o))eco, ela retrata seu amor pela ilha de Madagascar. Seus cliques mostram a beleza magistral dos baobás, árvores centenárias da África, e os animais-símbolo da ilha, os lêmures

A fotografia não foi a primeira escolha de carreira profissional para Cristina. Ela estudou para formar-se bióloga marinha e, ao longo dos anos, tornou-se consultora de biodiversidade e conservação. Trabalhou em lugares como a península de Yucatán e o Golfo da Califórnia, publicando inúmeros artigos científicos que tratavam da perda de biodiversidade e de culturas tradicionais.

Cristina já publicou diversos livros, incluindo alguns em co-autoria com outros cientistas e fotógrafos. Entre as publicações, que hoje tornaram-se referências nos esforços conservacionistas mundiais, estão: “Megadiversidade: Os países mais ricos em biodiversidade do planeta” (1996) e “Hotspots: ecorregiões mais ameaçadas e mais ricas em biodiversidade da Terra”(1998).

Cristina, além de consultora ambiental e fotógrafa representa diversos órgãos importantes ligados à conservação internacional. Atualmente é presidente da Liga Internacional de Fotógrafos para Conservação (ILCP), iniciativa que visa utilizar a fotografia para intensificar a conservação ambiental e cultural.

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta