Notícias

Exército envia tropa para auxiliar no combate ao desmatamento em MT

Aproximadamente 200 homens do efetivo do Exército brasileiro foram deslocados de Mato Grosso do Sul ao Mato Grosso para conter devastação da Amazônia.

Fábio Pellegrini ·
30 de maio de 2011 · 11 anos atrás
O efetivo, lotado no Comando Militar do Oeste, no 47º Batalhão de Infantaria, sediado em Coxim (MS), partiu para a cidade de Sinop (MT) Crédito: CMO
O efetivo, lotado no Comando Militar do Oeste, no 47º Batalhão de Infantaria, sediado em Coxim (MS), partiu para a cidade de Sinop (MT) Crédito: CMO
Campo Grande (MS) – Aproximadamente 200 homens do efetivo do Exército brasileiro foram deslocados de Mato Grosso do Sul ao Mato Grosso, na semana passada, para prestar apoio às ações de combate ao desmatamento desencadeadas pelo Governo Federal no norte daquele Estado. O efetivo, lotado no Comando Militar do Oeste, no 47º Batalhão de Infantaria, sediado em Coxim (MS), partiu para a cidade de Sinop (MT) distribuído em dois aviões da Força Aérea Brasileira.

Dados obtidos durante março e abril pelo DETER, sistema baseado em satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), apontam o desmatamento de 593 quilômetros quadrados na Amazônia. Deste total, 480 quilômetros quadrados foram verificados no Mato Grosso. No bimestre, o Estado foi responsável por 80% de todo o desmatamento verificado na Amazônia Legal pelo Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A ação, que envolve o Ministério da Defesa, o Ministério da Justiça e o Ministério do Meio Ambiente, tem como objetivo combater os delitos ambientais naquela região.

Segundo a assessoria de imprensa do Comando Militar do Oeste, o emprego das Forças Armadas se dará em coordenação com os órgãos federais envolvidos, e consistirá no apoio às ações por eles desenvolvidas. Polícia Federal, Força Nacional de Segurança e Polícia Rodoviária Federal e pelo menos 500 agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estão na região para reforçar a fiscalização e tentar coibir o avanço dos desmatamentos.

Ato simbólico

Ainda na semana passada, os ministros do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, acompanharam a apreensão de dois tratores de esteira e um correntão flagrados pelo Ibama durante desmatamento ilegal no município de Sinop. O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, o diretor de Proteção Ambiental, Luciano Evaristo, e o superintendente no estado do Mato Grosso, Ramiro Martins, também participaram da ação.

A ação em Sinop interrompeu o desmatamento de uma área de cerca de 120 hectares. “Este desmatamento foi paralisado pela fiscalização. Estamos utilizando dois aviões de monitoramento e seis helicópteros para flagrar e impedir os desmatamentos, que é o objetivo principal do Ibama na região”, afirmou o diretor de Proteção Ambiental, Luciano Evaristo.
O dono da área, agora embargada, foi multado em R$ 600 mil. O terreno seria usado para o plantio de arroz. Só neste ano o Ibama já apreendeu 1.670 toneladas de arroz cultivadas em áreas de desmatamento ilegal.

Segundo a ministra Izabella Teixeira, o aumento do desmatamento, especialmente em Mato Grosso, deixou a presidente Dilma Rousseff indignada. “A ordem é baixar o desmatamento a zero na região”, afirmou a ministra.

Segundo o presidente do Ibama, Curt Trennepohl, o combate ao desmatamento é prioridade da fiscalização e as frentes de ação estão sendo ampliadas. “Estamos abrindo quatro frentes de combate ao desmatamento na região, as operações estão recebendo o reforço dos órgãos de segurança pública e não serão toleradas afrontas ao poder público no cumprimento de suas atribuições legais”, afirmou Trennepohl.

Leia também

Desmatamento dispara em Mato Grosso em abril



Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta