Notícias

Museu Goeldi lança portal sobre botânica da Amazônia Oriental

O novo site também reunirá pesquisas na área de zoologia referentes aos estados do Pará, Amapá, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.

Redação ((o))eco ·
16 de novembro de 2012 · 9 anos atrás
Exemplar do Muiracatiara (Astronium lecointei Ducke) no catálogo do Museu Goeldi.
Exemplar do Muiracatiara (Astronium lecointei Ducke) no catálogo do Museu Goeldi.

O Museu Goeldi lançou no começo do mês o novo portal do Programa de Pesquisa em Biodiversidade da Amazônia Oriental. O site agrega informações dos seis Núcleos Regionais que compõem  a Rede da Amazônia Oriental e disponibiliza as bases de dados em botânica e zoologia da região, que envolve os Estados do Pará, Amapá, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.
 
Além de notícias sobre treinamentos, eventos, informes e um acervo digital que abriga livros, exposições virtuais e imagens, o portal também disponibiliza capítulos de livros, artigos, resumos, teses e dissertações produzidas pelos pesquisadores da Rede.
 
As informações sobre coleções científicas em botânica podem ser acessadas através do acervo Herbário e os dados sobre zoologia no portal das Coleções Zoológicas do Museu Goeldi.
 
O novo portal do Programa de Pesquisa em Biodiversidade – PPBio Amazônia Oriental pode ser acessado neste link.

 

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta