Notícias

EUA anuncia compromisso de reduzir emissões em 50% até 2030

A nova meta, anunciada durante abertura da Cúpula do Clima, praticamente dobra a redução que havia sido proposta pelos americanos no Acordo de Paris

Duda Menegassi ·
22 de abril de 2021
Biden durante discurso na Cúpula do Clima nesta quinta-feira (22). Foto: Reprodução

Depois de 4 anos da gestão negacionista de Donald Trump, quando os Estados Unidos chegaram a sair do Acordo de Paris, sob comando do democrata Joe Biden, o país norte-americano corre para mostrar ao mundo seu compromisso com a causa climática. A própria organização da Cúpula do Clima, realizada nesses dias 22 e 23, e considerada uma prévia da COP26, já foi vista por especialistas como uma demonstração internacional de que os EUA – um dos países com a maior emissão de carbono, junto com a China – gostariam de liderar o enfrentamento da emergência climática. Para reforçar o compromisso assumido durante a campanha eleitoral, os EUA de Biden anunciou uma nova – e ambiciosa – meta: reduzir as emissões do país em 50-52% até 2030.

A meta anterior dos Estados Unidos, firmada no Acordo de Paris, em 2015, era reduzir 26-28% até 2025.

Em seu discurso, o presidente norte-americano comentou ainda que enxerga no enfrentamento às mudanças climáticas uma oportunidade de criação de emprego e desenvolvimento econômico e que por isso aposta em investimentos em infraestrutura, tecnologia e inovação. “Com esses investimentos e colocando as pessoas para trabalhar, nós vamos nos colocar no caminho para cortar as emissões de gases de efeito estufa na metade até o final desta década. É para isso que estamos caminhando, como nação. E é isso que nós podemos fazer, se nós agirmos para construir uma economia que não é apenas mais próspera, mas mais saudável, justa e limpa pro planeta inteiro. Esses passos vão direcionar a América no caminho de zerar as emissões líquidas da economia até 2050. Mas a verdade é que os EUA representam menos de 15% das emissões globais, nenhuma nação pode resolver essa crise sozinha”, afirmou o democrata em seu discurso.

“Nós estamos aqui nesta conferência para discutir como cada um de nós, cada país, pode definir metas climáticas mais ambiciosas, criar bons empregos, desenvolver tecnologias e ajudar países vulneráveis a adaptar aos impactos climáticas. Nós temos que agir rápido”, completou Biden.

A Cúpula do Clima também contou com outros chefes de Estado como Vladimir Putin, da Rússia, Xi Jinping, da China e Bolsonaro, do Brasil. Além dos presidentes e primeiros-ministros, participarão do encontro líderes indígenas, do setor empresarial e da sociedade civil.

Leia também

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Notícias
5 de abril de 2021

A um mês de cúpula com EUA, governo atualiza plano para Amazônia

Algo parecido ocorreu em 2019, quando comitês ambientais extintos em abril foram recriados em novembro, às vésperas de conferência do clima

Notícias
28 de janeiro de 2021

Biden torna o clima grande novamente

Presidente faz anúncio amplo de medidas para gerar empregos e impulsionar a economia por meio do combate à crise climática e decreta moratória a óleo e gás em terras públicas

Reportagens
21 de abril de 2021

Cúpula do Clima deve frustrar planos de Bolsonaro de acordo com Biden

Cenário internacional evidencia Estados Unidos na liderança da pauta climática e coloca Bolsonaro e Brasil em xeque como párias ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta