Notícias

Governo peruano cria o Parque Nacional Sierra del Divisor

Vizinho do brasileiro Parque Nacional da Serra do Divisor, no Acre, nova área protegerá região com maior concentração de biodiversidade do Peru.

Daniele Bragança ·
8 de novembro de 2015 · 6 anos atrás
O Parque Nacional da Serra do Divisor (acima), é a única egião montanhosa no Estado do Acre. A unidade protege 837 mil hectares no lado brasileiro. Foto: Sérgio Vale/Secom.
O Parque Nacional da Serra do Divisor (acima), é a única egião montanhosa no Estado do Acre. A unidade brasileira protege 837 mil hectares no lado brasileiro. Foto: Sérgio Vale/Secom.

Assim como o Parque Nacional do Iguaçu, que é vizinho do Parque Nacional Iguazú, no lado argentino, o Parque Nacional da Serra do Divisor, no Acre, acaba de ganhar um vizinho com o mesmo nome: o governo peruano assinou neste domingo (08) o decreto criando o Parque Nacional Sierra del Divisor, com 1,3 milhão de hectares.

Foram 9 anos de trabalho em prol da criação da unidade e muita mobilização, inclusive internacional. A organização internacional Avaaz, famosa por suas petições contra projetos danosos ao meio ambiente, fez campanha e conseguiu reunir mais de 1 milhão de assinaturas.

Até mesmo a banda mexicana de pop rock Maná, uma das mais famosas da América Latina, se envolveu na mobilização em prol da criação da unidade. A banda pediu pelo sua página de Facebook para a população mandar mensagens ao presidente do Peru pedindo a criação do parque:

“Amigos, por 20 anos o Peru tem postergado a proteção da Serra do Divisor — uma das selvas com maior biodiversidade do mundo e onde o modo de vida dos indígenas está em perigo. Compartilhe essa publicação e exija a proteção da unidade na página de Facebook do presidente Ollanta Humala. Escrevam: Sr Presidente: os olhos do mundo estão postos sobre o Peru e é hora de declarar a Serra do Divisor como parque”

A unidade protegerá 1,3 milhão de hectares entre as regiões de Ucayali e Loreto. É a região com maior concentração de biodiversidade no Peru, com mais de 3 mil espécies de plantas, 570 espécies de aves e 300 tipos de peixes, e uma centena de espécies de anfíbios e répteis.

Em 2006, a área foi declarada zona protegida, mas sem categoria de proteção. Desde então, começou o processo para declará-la parque nacional. Em 2012, uma comissão foi criada para definir a categoria de conservação, com a participação de indígenas.

“Nós queremos preservar esta área geográfica como parte importante do pulmão que nos permite purificar o ar do mundo e, por outro lado, preservá-la das atividades ilícitas como o corte ilegal de árvores, o narcotráfico e outras atividades”, disse o presidente Ollanta Humala.

A nova área também formará uma corredor ecológico internacional entre o lado peruano e o lado brasileiro.

Leia Também
Os valorosos guarda-parques da América Latina
Ambições hidrelétricas do Peru têm Brasil como parceiro
Peru: controvérsia sobre gás do Bloco 88 sacode governo

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
12 de setembro de 2013

Peru: controvérsia sobre gás do Bloco 88 sacode governo

Novas explorações de gás na Amazônia peruana causam demissões no alto escalão do governo devido a impactos em áreas protegidas e indígenas.

Reportagens
28 de fevereiro de 2014

Ambições hidrelétricas do Peru têm Brasil como parceiro

Multiplicação de hidrelétricas até em locais turísticos pode tomar país com ajuda de dinheiro brasileiro, via um tratado de cooperação opaco.

Colunas
3 de agosto de 2015

Os valorosos guarda-parques da América Latina

Os gestores e cientistas têm obrigação de valorizar o empenho desses homens e mulheres, que correm riscos nas trincheiras da conservação.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Enquanto isso o Brasil tem um dos períodos mais lentos de criação de áreas protegidas… Mais triste, nem cuida adequadamente de suas áreas protegidas, sendo omisso na fiscalização e na proteção efetiva. Vamos reagir – criemos muitas das áreas protegidas que há tanto aguardam sanção, e – imprescindível – aloquemos recursos financeiros, humanos e institucionais para que essas áreas sejam de fato protegidas, para que possam cumprir o papel para o qual foram declaradas protegidas.
    Prof. Dr. Cleveland M. Jones
    Pesquisador do INOG – Instituto Nacional de Óleo e Gás/CNPq
    FGEL – Faculdade de Geologia/UERJ – Universidade do Estado do Rio de Janeiro


  2. paulo diz:

    Parabéns a todos, os Homens de boa vontade.