Reportagens

Carvão: um beco sem saída?

O Eco visita mina de carvão mineral na Polônia para saber porque o combustível está no meio do impasse para novo acordo na Convenção de Mudanças Climáticas

Redação ((o))eco ·
8 de dezembro de 2008 · 13 anos atrás

O cientista americano James Hansen, conhecido como um dos pioneiros na pesquisa do aquecimento global tem repetido constantemente em seus artigos que o verdadeiro nó górdio para o meio ambiente não é interromper o uso do petróleo como tantas vezes se ouve por aí. Quando se fala em reduzir o consumo de combustíveis, frisou Hansen em uma carta pública enviada ao primeiro ministro da Inglaterra, o problema verdadeiro se chama carvão mineral. Toneladas do carburante que moveu a revolução industrial ainda são queimadas todos os dias gerando 41% das emissões globais de carbono – 11 bilhões T/CO2 por ano.

Nesta semana em que as negociações da Convenção da ONU entram em momento decisivo aqui em Poznan, na Polônia, as atenções estarão voltadas para União Européia. O bloco nos próximos dias vai debater o chamado Pacote de Energia e Mudanças Climáticas, que compreende uma série de medidas concretas em setores como transporte, habitação e indústria para que seja possível cumprir a meta de reduzir 20% das emissões de carbono em 2020.

O que acontecer em Bruxelas, sede da Comissão Européia, vai influenciar em grande parte o que ocorrerá em Poznan. A Europa lidera entre os países ricos as iniciativas de redução de emissões. É ela quem tem as metas mais ambiciosas e também quem mais defende cortes drásticos até 2050. Se Europa não fizer o seu dever de casa, será difícil que os Estados Unidos o façam, afirmam os especialistas.

Entretanto, a própria anfitriã da Conferência da ONU, a Polônia, é um dos países mais relutantes em aceitar medidas concretas. A dependência da energia gerada pelo carvão mineral está por trás de sua resistência; 93% do suprimento do país provém do combustível. “A Polônia é a China da Europa”, define uma ativista do Greenpeace ao lembrar das poluentes termoelétricas do país asiático.

No interior da Polônia

O Eco visitou no último dia 03 de dezembro, na cidade de Konin (140 quilômetros de Poznan), a área onde são extraídos há 60 anos 11 milhões de toneladas/ano de carvão para abastecer termoelétricas que fornecem pelo menos 5% da energia do país. Ali o Greenpeace montou acampamento de sua campanha mundial ‘Carvão Não!’.

 

Foto: Rod Harbinson
Foto: Rod Harbinson

Gustavo Faleiros está em Poznan a convite do Climate Change Media Partnership.

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta