Reportagens

Guiana Francesa sofre com mineração ilegal de ouro

Apesar dos esforços para controlar a mineração ilegal de ouro, alto preço do metal leva cada vez mais pessoas a praticar a atividade na porção amazônica da região.

Johann Earle ·
17 de janeiro de 2012 · 10 anos atrás
Extração ilegal de ouro na Amazônia é ainda um grande problema a ser enfrentado pelas autoridades na Guiana Francesa. Foto: WWF Guianas
Extração ilegal de ouro na Amazônia é ainda um grande problema a ser enfrentado pelas autoridades na Guiana Francesa. Foto: WWF Guianas
Saiba mais sobre a Guiana Francesa

A Guiana Francesa é parte do território da França, embora esteja na América do Sul. Possui 83,1% de seu território coberto por floresta equatorial. É lar de vasta diversidade de flora e fauna dos quais 5.750 espécies de plantas, 718 de aves, 183 de mamíferos, 480 de peixes de água doce e 108 de anfíbios. Na Guiana Francesa, os 83 mil quilômetros quadrados de floresta amazônica representam metade da biodiversidade da França. Seus ecossistemas estão entre os mais frágeis e ricos do mundo, com florestas tropicais primárias, manguezais e savanas.

A mineração ilegal de ouro, com o uso de mercúrio na região da fronteira com o Brasil, tem ameaçado a floresta amazônica na Guiana Francesa, onde a atividade ocorre desde o final dos anos 90. Apesar dos esforços para coibir a ilegalidade, o alto preço do metal tem levado cada vez mais pessoas a entrar na vasta floresta com vistas à prática da extração à revelia da lei, o que é um grande desafio para as autoridades. Por causa da mineração ilegal de ouro, entre 1999 e 2001 6.421 hectares (ha) de floresta foram impactados na região. Em 2008, este número subiu para 20.936 ha.

Uma das consequências da atividade é o desmatamento. Outra é a poluição causada pelo mercúrio, que não é utilizado por garimpeiros legais desde que ele foi proibido por decreto em 2006. Quem está ilegal não respeita a legislação. “Primeiro cortam as árvores, depois removem a camada superior do solo para obter material aurífero e então as águas residuais poluem o ecossistema florestal”, diz Vieira. O WWF Guianas estima que para produzir 1 kg de ouro os garimpeiros utilizem pelo menos 1 kg de mercúrio, o que coloca em risco sua saúde e a dos povos locais que vivem nas proximidades. Por causa do índice naturalmente elevado de mercúrio no solo da Amazônia, qualquer adicional se torna uma ameaça à saúde humana, à floresta e ao ecossistema aquático. 30 toneladas de mercúrio são jogadas no ambiente natural das Guianas a cada ano. “Isso também é comum no Brasil e onde quer que este tipo de mineração em pequena escala exista”, explica Rickford Vieira, responsável por estudos relativos à redução de impactos causados por mineração de ouro do WWF Guianas.

 

Fiscalização deficitária

Parar os garimpeiros ilegais por meio da legislação não é nada fácil porque eles são muito móveis e estão geograficamente dispersos. “Os militares vêm, passam três meses, expulsam a maioria dos trabalhadores ilegais, mas quando vão embora a atividade recomeça”, diz Vieira. “Você encontra um aqui e outro acolá. É muito difícil monitorar”, explica. Ele estima que existam cinco mil garimpeiros ilegais na Guiana Francesa – e isso comprova que o Estado tem pouco controle sobre a ilegalidade do setor. Quanto maior o preço do ouro (que nos últimos cinco anos aumentou 600%), maior o número de trabalhadores ilegais.

Entre as maiores implicações da mineração em pequena escala, como a que se vê ilegalmente na Guiana Francesa, estão os danos ambientais causados e, principalmente, a necessidade de subsistência. “Eu não acho que haja qualquer garimpeiro lá fora incapaz de compreender que suas atividades estão causando impactos. Se você mostrar isso, o que ele vai lhe dizer é que precisa ganhar um salário e que, se tivesse alternativa, provavelmente estaria fazendo outra coisa”, diz Dr. David Singh, diretor-geral da Conservação Internacional (CI).

Uma das limitações da mineração de pequena escala é a desorganização. “Muitos desses garimpeiros trabalham isoladamente uns dos outros e há pouca chance de serem capazes de se unir, por exemplo, para realizar atividades de regeneração”, afirma. De acordo com ele, a reforma das leis de gestão dos recursos naturais poderia incentivar um novo mercado com a criação de indústrias focadas em regenerar áreas afetadas pela mineração. Outra saída seria o pagamento de taxas sobre a compra e a venda do ouro que resultassem em recursos capazes de recuperar áreas afetadas.

Pagamento por serviços ambientais?

Para David Singh, os danos causados pela mineração e por obras de infraestrutura dentro da floresta devem ser levados em consideração. “Todas essas atividades que constituem ameaças são motivadas por necessidades econômicas e aumento do preço de commodities. É preciso equilibrar a ‘exploração’ com incentivos baseados na manutenção destes ecossistemas, o que tornaria possível a discussão sobre vantagens e desvantagens de cada atividade que consideremos mais predatória. A região amazônica não seria puramente fornecedora de mercadorias, mas prestadora de bens e serviços”. É preciso valorizar a floresta. “A comunidade internacional está disposta a pagar por isso. A Amazônia representa muito mais do que um espaço para extração de recursos”.

 

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta