Reportagens

Mudança climática deve alterar o funcionamento de comunidades de microrganismos marinhos, aponta estudo

Grupo de pesquisadores de várias partes do mundo concluiu que o plâncton do planeta se organiza em consórcios microbianos, em que uma espécie depende da outra para viver

André Julião ·
22 de setembro de 2021

orte brasileiro, o veleiro vai passar ainda por Salvador (outubro), Rio de Janeiro e Florianópolis (novembro). Em seguida, segue para a Antártica e para a costa africana. Ao voltar para a França, de onde partiu em dezembro de 2020, a expedição terá totalizado dois anos de duração.

No Brasil, o projeto envolve ainda expedições científicas no navio Alpha Crucis, do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP), e no Veleiro ECO, desenvolvido na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). As outras instituições brasileiras envolvidas são a UFSCar, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Consórcios microbianos

A partir dos dados coletados na expedição 2009-2013, e com o auxílio de ferramentas estatísticas, os pesquisadores reconstruíram as redes de interações entre os microrganismos. Mais do que catalogar as 20.810 unidades taxonômicas operacionais (o equivalente a espécies) de microrganismos encontradas, portanto, os pesquisadores identificaram 86.026 interações potenciais, que podem ser positivas (simbiose ou mutualismo, por exemplo) ou negativas (como predação ou parasitismo).

“Se identificamos duas espécies que sempre aparecem juntas, é possível que haja uma interação positiva ali, ou seja, uma dependa da outra. Mas, se cada vez que uma aumenta a outra diminui, pode haver uma interação negativa, uma se alimenta da outra, por exemplo. Fizemos as comparações dessas mais de 20 mil espécies par a par e obtivemos esse número de interações potenciais, em que cada espécie é como um nó de uma rede complexa”, explica o pesquisador.

Espécies ubíquas, que ocorrem no mundo todo, foram minoria. A maioria dos organismos tem uma distribuição que varia com a latitude, formando redes distintas nos polos, nas regiões temperadas e nos trópicos.

Com base nessa informação, unida a dados ambientais como temperatura, salinidade e disponibilidade de nutrientes, os pesquisadores simularam os efeitos das mudanças climáticas em cada uma dessas comunidades.

Sabe-se, por exemplo, que cada espécie ocorre apenas num determinado intervalo de temperatura. Com um aumento que pode ultrapassar os 3°C previsto para o fim do século, por exemplo, algumas espécies podem deixar de existir naquele local. E comunidades que hoje possuem essas espécies teriam todo o funcionamento alterado no futuro.

“Fizemos essas simulações para vários estressores. Na região temperada, as mudanças no regime de nutrientes parecem ser mais importantes. Enquanto nos trópicos são a temperatura – embora menos do que nos polos – e a salinidade os maiores estressores das redes de plâncton”, diz Sarmento.

Amostras colhidas em todos os oceanos do globo pela Tara-Oceans resultaram num banco de dados com 20.810 espécies de seres microscópicos; em novo estudo, pesquisadores revelaram que microrganismos se organizam em 86.026 potenciais interações. Imagem: C. Sardet e N.Sardet/Fondation Tara Océan.

Nos polos, a temperatura é um fator ainda mais crítico. “Uma vez que os maiores aumentos ocorrem justamente nas regiões polares, podemos antecipar grandes mudanças no funcionamento dessas comunidades, com consequências importantes para o equilíbrio do sistema”, afirma o pesquisador.

O estudo alerta que essas alterações podem redundar numa menor produção de oxigênio, uma vez que os microrganismos marinhos produzem cerca de metade do gás na Terra. Além disso, podem afetar a capacidade dos oceanos de capturar e reter carbono da atmosfera.

Atualmente, eles absorvem um quarto dos gases de efeito estufa emitidos pela ação humana, como a queima de combustíveis fósseis. Mudanças na atividade planctônica, portanto, podem agravar ainda mais o quadro atual.

As alterações podem afetar ainda a biomassa de plâncton, que é a base da cadeia alimentar marinha. Com isso, é possível antecipar mudanças na distribuição e quantidade de estoques pesqueiros.

O outro coautor brasileiro do estudo é Pedro Ciarlini Junger Soares, que realiza doutorado na UFSCar sob orientação de Sarmento e atualmente faz estágio de pesquisa no Institut de Ciències del Mar (ICM), na Espanha, ambos com bolsa da FAPESP.

O artigo Environmental vulnerability of the global ocean epipelagic plankton community interactome pode ser lido em: www.science.org/doi/10.1126/sciadv.abg1921.

Leia também

Notícias
18 de agosto de 2021

Vida marinha em recifes tropicais pode cair pela metade até final do século com crise climática

Estudo conduzido por pesquisadores brasileiros em Atol das Rocas mostra que se nível de emissões de CO2 for mantido como está, ecossistemas entrarão em colapso

Reportagens
17 de agosto de 2021

Brasil naufraga no controle da pesca de arrasto

A falta de estatísticas e o drible em informações técnicas se somam a maiores desregulamentação e influência privada no governo extremista de Jair Bolsonaro

Reportagens
26 de outubro de 2021

De olho na COP-26, governo lança Programa de Crescimento Verde

Especialistas classificam iniciativa como vazia e retórica. Com desmatamento em alta e falta de políticas de controle, Brasil não terá nada de relevante para levar a Glasgow

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta