Salada Verde

O estrago que as cabras fizeram na flora da Ilha de Trindade

Ao longo da ocupação da ilha, animais domésticos foram responsáveis por dizimar espécies nativas como a árvore Colubrina glandulosa.

Sabrina Rodrigues ·
19 de setembro de 2016 · 5 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Como quase toda ilha, a de Trindade vivia muito bem, obrigada, até o estabelecimento de homens e dos seus respectivos animais domésticos lá por volta do século XVIII e XIX. A ilha viu sua árvore mais característica, a Colubrina glandulosa, ser extinta após a introdução de cabras no local. Segundo especialistas, em 1700, a árvore chegou a cobrir 80% da ilha. Entre 1959 e 1965, o naturalista Johann Becker, do Museu Nacional, constatou a extinção da espécie. Num texto assinado pelo jornalista Ricardo Bonalume Neto, a Folha de São Paulo conta na edição desta segunda-feira (19) como se deu esse processo de degradação na Ilha de Trindade, considerada a mais distante do litoral brasileiro (ela está situada a 1.167 quilômetros da costa).

 

 

Leia Também

Ilha Macquarie: como vencer os predadores introduzidos

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Análises
5 de janeiro de 2015

Ilha Macquarie: como vencer os predadores introduzidos

Primeiro, a exploração humana devastou a ilha. Depois, os conservacionistas travaram uma longa guerra contra as pragas exóticas.

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Leda Aschermann diz: